quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Artigo Wagner Baldez: A MÍDIA MANIPULADA




Por Wagner Baldez (*)

Hoje, me dispus, com o maior empenho e satisfação, tratar da greve do Judiciário Federal; já que a mídia se omite, propositadamente, embora tenha como compromisso e função precípua noticiar os fatos de interesse público; sobretudo pela importância social e política que o ATO representa, a exemplo do citado movimento paredista, realizado em Brasília.

Tal procedimento restringe-se no desejo de satisfazer aos interesses das classes dominantes e, por extensão, do Poder Executivo; delas tornando-se submissa!

Se uma classe ou categoria recorre, à guisa de socorro ao movimento grevista, é por uma questão de não dispor de outro mecanismo ou instrumento que venha fazer jus às suas aspirações...

Geralmente os governos tripudiam sobre quaisquer que sejam as reivindicações postuladas pela classe trabalhadora, mormente a do funcionalismo federal: ao ponto de não cumprirem os mais elementares compromissos, como vem de ser o caso dos acordos firmados entre as partes; inclusive protelando sucessivamente o pedido de renegociação; cuja finalidade implica em resolver o quanto antes e definitivamente o impasse criado pelo próprio governo.

O que temos assistido é um governo dispersivo e insensível na maneira de agir sobre o trato da referida questão; procurando, através da mídia, espaço para fomentar uma sórdida campanha, com a finalidade de convencer a população de que a remuneração dos servidores federais estão bem acima do mínimo!

Entretanto, aludido argumento usado pelo governo não serve de parâmetro para avaliar desigualdade remunerativa; levando em consideração a formação ou valorização técnica exigida para o exercício do cargo, tendo o servidor, por força de lei, submeter-se a concurso público.

Todos os males acontecidos neste país é de inteira responsabilidade dos Poderes; porém ao funcionalismo é atribuída a culpa.

Já no tempo do calhorda do FERNANDO HENRIQUE os servidores públicos eram tratados ostensivamente de VAGABUNDOS! Repetindo outros insultos do governo do cabotino COLLOR DE MELO, quando qualificou-os de MARAJÁS!

Torna-se importante o público tomar conhecimento da verdade: o real motivo da greve decorre do fato do governo se negar a cumprir um direito Constitucional, ou seja, a Reposição Salarial desde 2006, cuja demora vem prejudicando de forma brutal o orçamento dos trabalhadores do judiciário.

O que se torna lamentável, repetimos, é a posição mantida, particularmente grave, pela mídia, quando sequer divulga algo a respeito de tão significativo evento, cujo movimento vem reunindo milhares de servidores vindo de todas as partes do Brasil e concentrados na Praça dos Três Poderes, numa ação empolgante e memorável! cuja carga de emoção estende sua chama contaminando a alma da brasilidade; os quais, compreendendo o sentido da luta, passaram à apoiá-la.

Essa ação movida pelos trabalhadores do Judiciário Federal, por certo servirá de exemplo para a CONDSEF, FINISEF e CUT – Entidades catalisadoras dos interesses das classes a elas filiadas – que, ao invés de mobilizarem suas lideranças em apoio ao movimento paredista, resolveram, isto sim, instalar-se de maneira covarde e traiçoeiramente no PORÃO DO PALÁCIO DO PLANALTO, aguardando as ordens da Presidenta como deveriam se comportar...

Observando os efeitos do movimento, me assoma à mente o seguinte fato, o qual se tornou hospede das minhas lembranças. Certa vez, falando na ONU, o líder Palestino Yasser Arafat, ao encerrar o seu lapidar discurso de ressonância universal, sentenciara: “A JUSTIÇA DA CAUSA DETERMINA O DIREITO DE LUTA”.


AVANTE! pugilos de bravos e obstinados servidores públicos! ATÉ A CONSUMAÇÃO DA VITÓRIA!!!


(*) Wagner Baldez - Servidor Público Aposentado, membro do Comitê de Defesa da Ilha, um dos fundadores do Instituto Maria Aragão. Integra a Executiva Estadual do PSOL/MA