quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Artigo Wagner Baldez: A METODOLOGIA DO IMOBILISMO (Para apreciação do Governador Flávio Dino)



Por Wagner Baldez (*)

Afinal de contas, com quais intenções foram criadas as Secretarias Estadual e Municipal do Meio Ambiente, inclusive o IBAMA e demais órgãos congêneres?!

A pergunta se ampara no fato da ausência de qualquer participação para qual foram elas destinadas.

A “existência” dessas repartições somente se tornam conhecidas do público através da propaganda midiática, porém nunca materializada na prática: daí as razões lógicas das dúvidas!

Até parece que aludidas entidades surgiram não para servir de órgãos técnicos, para cuidar da defesa contra as agressões criminosas sofridas pela natureza, mas principalmente no sentido de funcionar como “CABIDE DE EMPREGO”.

Nesse cenário, torna-se evidente a inexistência de empenho requerido por esse tipo de operação, o que pressupõe, inclusive, a falta de consciência ecológica da parte dos gestores.

Para comprovar citada afirmação, que seja o suficiente abordar o que vem acontecendo com os córregos existentes no lugarejo denominado AMBUDE, os quais atravessam longa faixa formada de brejos, sendo a vegetação constituída por juçarais e buritizais. É justamente nesse povoado onde se realiza a tradicional festa da juçara!

Apesar das reiteradas  denúncias, nenhum procedimento fora ultimado por parte dos gestores das respectivas pastas.

Para conhecimento dos dirigentes dos setores relacionados com o Meio Ambiente - ainda bem que se trata apenas da metade... -, o referido manancial é a única reserva hídrica oficializada por lei municipal, merecendo completo amparo dessas Secretarias.

Também à guisa de reforço apelamos ao PV, a fim de que se incorporasse a essa cruzada ecológica, já que mencionada agremiação política se proclama “defensora” do Meio Ambiente. Leia através do nosso Facebook (acesse aqui: Wagner Baldezo artigo intitulado "Um verde completamente estiolado!"


Em razão da completa falta de providências, transferimos ao Dr. Flávio Dino  aludida questão, na certeza de que o chefe do Executivo Estadual solucione definitivamente referido impasse, cuja origem vem da triste época em que dona Roseana Murad ocupava como intrusa a TOCA DOS LEÕES.


(*) Wagner Baldez - Servidor Público Aposentado, membro do Comitê de Defesa da Ilha, um dos fundadores do Instituto Maria Aragão. Integra a Executiva Estadual do PSOL/MA

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Artigo Wagner Baldez: O PRAZER DA VOLTA! (Conto)



Por Wagner Baldez (*)

Passado alguns meses, voltamos à casa do Senhor Zemetério (compadre do Guarda- Fios), cumprindo, assim, o trato combinado.

Era um domingo, por tradição o dia reservado para visitarem amigos, parentes e, em algumas ocasiões, aqueles que viviam em localidades mais afastadas. Citado passeio era uma das pouquíssimas diversões de que dispunham os moradores dessa região; o que, aliás, lhe proporcionavam imensa satisfação!

Encontramos o compadre Zemetério (tratamento por afinidade) no terreiro da casa, reunido com amigos a trocarem um “dedo de prosa”; o que tornava o ambiente aconchegante! Dispostos em círculos, sendo o centro ocupado pela pessoa do compadre, por ser ele o principal personagem a comandar a palestra.

De vez em quando explodiam as gargalhadas causadas pelas estórias contadas pelo dono da casa.

Nos momentos apropriados, o compadre alterava a voz:
- Epifânia, tá na hora do moca!

O qual era sorvido com todo o prazer! Em cada rodada os consumidores saudavam a bebida com o refrão: viva o único preto que é recebido com cortesia nos salões dos brancos!

A partir desse momento foi que eles deram com a presença dos visitantes, o que tornou o ambiente mais alegre, ao ponto de contagiar os participantes, incentivando-os aos cumprimentos afetuosos!

Bem, companheiros, em homenagem aos amigos recém-chegados, vou relatar um caso que se passou comigo há poucos dias quando viajava para cidade de Pedreiras.

A certa altura, atravessando o grotilhão mais acidentado do trajeto, fui surpreendido por vozes estranhas, assemelhando-se a um canto de reisado. Entretanto, por encontrar-me um tanto afastado do local donde procediam as vozes, não dava para entender o significado. Tomando chegada, comecei a distinguir o que, até então, era incompreensível: Uma voz arquejante, como se alguém lhe apertasse a garganta, apelava:

- Ai Jesus!...

Em côro, vozes misteriosas respondiam:

- Não tem Jesus, não tem nada, hoje você vai! Sendo que as notas eram agudas.

Um tanto assustado, me veio a dúvida: Como pode isso acontecer, se não existe moradia nessas imediações?!

Ainda assim resolvi partir em direção do local suspeito, embora a escuridão fosse por demais tenebrosas, pelo fato de ser noite chuvosa!

De revolve em punho, penetrei no recinto: uma espécie de caverna, cuja cobertura era formada por intrincado cipoal, para aquelas bandas conhecido como mufumo.

Assustei-me, já que vozes ecoaram próximo de onde me encontrava!

De imediato liguei a lanterna, deparando-me com uma cena estranha, capaz de paralisar qualquer cristão!

A essas alturas, o pessoal já bastante agastado, porém na mais completa expectativa em desejar saber do que se tratava, se precipitaram em afirmar ser o “Rabudo”!

Qual nada, respondi em seguida!

Então, o que era, finalmente?!

Nada mais nada menos que um “sapo boi” agredido por duas muriçocas, com os ferrões introduzidos no “pano da costela” do pobre animal, deixando-o imobilizado em razão da perda de sangue.

Urgentemente, procurei retirar o sapo da incomoda situação.

Puxa Zemetério, você nos fez sofrer mais do que o castigo imposto ao sapo!

Embora tenha passado por esse angustiante drama, houve o lado pitoresco: pois não é que na volta, ao passar pelo local da ocorrência, perfilados estavam dois mil sapos a cantarem em côro, como que expressando a sua gratidão: Aqui viemos para saudar o nosso protetor...
Agradecei a calorosa mensagem, e logo segui viagem.

Zemetério, você é um gênio por saber seduzir os ouvintes, através das suas bens contadas estórias!

Vá com Deus! Assim foi o grito uníssono dos que lá se encontravam no momento da saudosa despedida!!!.


(*) Wagner Baldez - Servidor Público Aposentado, membro do Comitê de Defesa da Ilha, um dos fundadores do Instituto Maria Aragão. Integra a Executiva Estadual do PSOL/MA

Lar da Infância

Lar da Infância
Pires de Saboia (*)


Era tarde. Bem longe o sol morria.
De longa ausência, eu ia grave e triste
Pela mesma de outrora alegre via
Para onde tanto o meu amar persiste

Depois.....a dor de recordar sofria!
Era o meu lar da infância. Ainda existe a mesma casa, o quarto onde eu dormia,
Transpondo o anos tudo enfim resiste!

Revi ao lado o rio, a cachoeira,
O açude junto da alta carnaubeira
Onde tanto brincava ao fim do dia.

Porém não mais ouvi a voz dos meus.
Quanto silêncio! Que tristeza oh Deus!
Somente a sombra de um passado havia.



(*) Wagner Baldez: A publicação é a pedido do jovem João Carlos Nepomuceno, de Barra do Corda-MA. Trata-se de um profundo admirador das obras do intelectual Pires de Saboia. Entretanto, relutei em divulgar a composição, receoso de provocar um surto de choro, cujas lágrimas derramadas pode levá-lo a uma desidratação ao ler aludido soneto, como aconteceu em outra ocasião!... O autor da poesia é pai do nosso companheiro Haroldo Saboia 

quinta-feira, 22 de outubro de 2015

Saiba quem são os deputados maranhenses à favor de cobrança de taxas no ensino público

De 18, só dois contra a cobrança de taxa no ensino público

Assim votaram deputados federais do Maranhão quanto à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 395-A/2014, que altera o inciso IV do artigo 206 da Constituição Federal, que quebra o princípio da gratuidade do ensino público, permitindo a cobrança de taxas em cursos de extensão, especialização, aperfeiçoamento, etc:

À FAVOR DA COBRANÇA DE TAXAS - Alberto Filho (PMDB), Aluisio Mendes (PSDC), André Fufuca (PEN), Cleber Verde (PRB), Hildo Rocha (PMDB), João Marcelo Souza (PMDB), João Castelo (PSDB), José Reinaldo (PSB), Júnior Marreca (PEN), Juscelino Filho (PRP), Rosângela Curado (PDT), Victor Mendes (PV),

Votaram contra: Eliziane Gama (Rede) e Rubens Pereira Júnior (PCdoB).

Ausentes: Pedro Fernandes (PTB), Sarney Filho (PV), Waldir Maranhão (PP) e Zé Carlos (PT).

Para cobrar o voto dos deputados maranhense nessa votação, saiba os contatos de cada um aqui.


Como é atualmente o inciso IV do artigo 206 da Constituição Federal:

"O ensino será ministrado com base nos seguintes princípios:
I - igualdade de condições para o acesso e permanência na escola;
II - liberdade de aprender, ensinar, pesquisar e divulgar o pensamento, a arte e o saber;
III - pluralismo de idéias e de concepções pedagógicas, e coexistência de instituições públicas e privadas de ensino;
IV - gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais;"


Como ficará, se for aprovada em segunda votação na Câmara dos Deputados e em votação em dois turnos no Senado Federal:

""Art. 206 (...)
IV – gratuidade do ensino público nos estabelecimentos oficiais de educação básica e, na educação superior, para os cursos regulares de graduação, mestrado e doutorado."

Pela PEC, os demais cursos ficam autorizados a cobrar taxas, mensalidade, etc.

Saiba mais sobre a proposta aqui.


SÓ PCdoB, PSOL e Rede VOTARAM 100% CONTRA A PEC.
Confira o voto por partido, aqui.

sábado, 17 de outubro de 2015

DESPREZO



Por Wagner Baldez (*)


Vai-te, alma penada!
Para bem distante do nosso convívio
Onde possas realizar com prazer
O restante dos teus mórbidos sonhos!

Se pensas voltar... é teimar tal qual uma mula!
Sabendo que o povo te nega apreço inclusive qualquer ajuda,
Por jamais pareceres com o de outrora louvado LULA!
Hoje, investido na figura de um Judas!

Tal a nossa profunda indignação
Ao contraíres aliança com a Sarneyzada
Por ti exacerbadamente execrada!
Ao ponto de afirmares ser o senador refinado ladrão.

Que vá o quanto antes, alma penada!
Mas que leves não só o PT no teu bornal,
Como os partidos, cujas siglas, terminam em DB;
Em razão da vergonha que vem causando à política nacional!

No sentido de avaliar o perfil de ambos os personagens, a respeito da conduta moral, comporta acrescentarmos, no presente texto, a seguinte citação bíblica: “Diga-me com quem andas que te direi quem és”.
Materializando: ladrão por ladrão...

Que complete o leitor, se assim o desejar.


(*) Wagner Baldez - Servidor Público Aposentado, membro do Comitê de Defesa da Ilha, um dos fundadores do Instituto Maria Aragão. Integra a Executiva Estadual do PSOL/MA