terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Artigo Wagner Baldez: GALERIA DOS ESQUECIDOS - Newton da Silva Menezes


Por Wagner Baldez (*)

Evocamos personagens modestos, mas cujo valor pessoal permanece consagrado na memória de uns poucos; haja vista o fato de citados protagonistas sustentarem durante toda a existência uma admirável e exemplar postura moral!
Referida reputação poderia servir de aporte e legado aos bem intencionados, inclusive aos pósteros, caso houvesse, da parte da sociedade, interesse em difundir ou pelo menos aprovar tão nobre e fecunda ação...
Ao contrário: na ridícula compreensão desse arrogante e preconceituoso grupo social (elite dominante), nenhuma menção que legitimasse algo como forma de reconhecimento aconteceu, mas simplesmente o ostracismo à guisa de recompensa.
Portanto, esse foi o motivo que nos moveu a criar este espaço, cujo único propósito consiste em ressuscitar os feitos desses intérpretes e paladinos da moral e da dignidade!
Assim procedendo, e imbuídos dessas certezas, nos esforçamos para que a presente obra consiga alguma ressonância por parte da atual sociedade.
Outrossim, procuramos resgatar essa dívida, propositadamente ocultada por  aqueles  que consideram  a moral  não como uma ação de acordo com os bons costumes.
O espaço encontra-se à disposição daqueles que dele queiram fazer uso: incorporando nomes que nessa particularidade se identifiquem integralmente com a causa que defendemos.
Iniciamos a presente tarefa fornecendo a biografia do maranhense que, em vida, atendia pelo nome Newton da Silva Menezes.

Newton da Silva Menezes
Nasceu em São Luí (M), em 24 de abril de 1901, falecendo no dia 02 de abril de 1993.
Orita da Silva Menezes era o nome de sua esposa, com quem teve onze filhos!
Ocupando o cargo de comandante da Guarda-Moria ­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­­- repartição fiscal aduaneira - deu exemplo de retidão e cordura no exercício da função até completar o tempo de se aposentar.
Em nenhum momento de sua vida funcional se deixou dominar, influenciar e seduzir por algo vantajoso oferecido pelos que participavam dos leilões ocorridos como de praxe, naquela Casa, ainda que não comprometesse as suas atribuições no cargo em que ocupava: acontecimento raro entre dirigentes de repartições públicas!
Em razão desse comportamento, capitalizou o respeito e admiração de todos que o conheceram!
Durante toda a sua existência morou em casa alugada, por não dispor de condições financeiras para adquirir um imóvel. Carro... nem pensar!
A única herança deixada para a esposa e a extensa prole foi o exemplo de vida: legado que se constituiu no maior orgulho para a família; a qual se esforça para imitá-lo. Aliás, o que vem acontecendo.
Ainda bem que houve o reconhecimento por parte das mais altas autoridades alfandegárias; haja vista que, com a reclassificação ocorrida na Guarda-Moria e, consequentemente, com a criação da Receita Federal, fora ele investido no cargo de auditor fiscal.
Vale ressaltar haver recebido, inclusive, um documento oficial procedente de Brasília tratando de sua folha de serviço, isenta de quaisquer manchas!
Portanto, pessoas dotadas de tais qualidades morais tem o seu lugar consagrado neste espaço!!!


(*) Wagner Baldez - Servidor Público Aposentado, membro do Comitê de Defesa da Ilha, um dos fundadores do Instituto Maria Aragão. Integra a Executiva Estadual do PSOL/MA