domingo, 21 de fevereiro de 2016

Artigo de Wagner Baldez: 50 anos... O SUFICIENTE PARA DEIXAR O MARANHÃO DE MULETAS!




Por Wagner Baldez (*)

Um dos momentos mais divertidos que experimentamos, nesses últimos tempos, aconteceu quando, em tom de blague, um amigo enviou-nos um exemplar do jornal O ESTADO DO MARANHÃO, contendo nesse um encarte cujas páginas e respectivos espaços foram reservados - só que de maneira apócrifa - para tecer exacerbada apologia a respeito da trajetória política do ex-senador JOSÉ DE RIBAMAR FERREIRA ARAÚJO COSTA, por cognome JOSÉ SARNEY.



As tais obras, acrescidas de incontáveis projetos enumerados na sua entrevista, se assemelham às pilhérias do Almanaque Capivarol, do que algo jamais acontecido, sobretudo quando afirma haver, como governador, executado em 4 anos o mais profundo programa educacional do Estado: UMA FACULDADE POR ANO; UM GINÁSIO POR MÊS; UMA ESCOLA POR DIA.
Foi nesse exato momento em que fomos acometidos de um surto de risos!
No desejo de prosseguir com a leitura, procuramos controlar tal situação, o que se tornou um tanto complicado; pois não é, para surpresa nossa, que a própria mentira se dispôs a fazer cócegas em nosso corpo, não só por considerar fantasiosa as afirmações contidas na fala do ex-parlamentar, como para ajudar-nos a sustentar as justificadas gargalhadas! A essas alturas tanto ríamos, como ela também.
Os recursos adaptados na entrevista iam além das mentiras, passando a ser uma patacoada, segundo o conceito emitido pela senhora mentira.
Mediante citado comportamento, inferimos que se dela dependesse, recusaria a prestar serviço de tal natureza. E logo para quem?!... Justamente para a pessoa que sempre procurou usá-la em ocasiões que requeresse, necessariamente, a sua ajuda.
Após alguns minutos em que assumira dita tarefa, a senhora mentira retornou ao seu lugar de origem para continuar representando o triste e solitário papel para a qual fora destinada.
O Brasil tem conhecimento da forma como mencionado personagem se revelou na politicagem.
Quatro foram as vertentes para conseguir suas execráveis conquistas: ambição pelo poder e glória (sofre de doxomania); traição; conveniência e cabotinismo; afora outros defeitos possíveis e impossíveis!


Para ele, toda atividade condenável adquire aparência de normalidade. O que interessa não são os meios, mas os fins.
Igualmente consta ter o mesmo a fama de experiente convolador.
Quanto à afirmação de haver sido a geração de jovens poetas os principais elementos a mudar as péssimas condições em que se encontrava o estado, não passa de um despautério ou embuste.
Apenas quatro foram os poetas a participar da luta contra o referido modelo vigente: José Nascimento Morais – aliás, o mais autêntico e combativo; Bandeira Tribuzi, até então comunista; Carlos Cunha e Nauro Machado. O restante, inclusive uma parcela expressiva de intelectuais, vivia pendurado na frauda do senador Vitorino Freire; posição esta assumida para garantir-lhes, exclusivamente, seus interesses pessoais, seguindo o exemplo do jovem Sarney, ao tempo, Deputado Federal.
O entrevistado sequer, por um dever moral, cívico e partidário, faz alusão aos que realmente foram os principais atores desse movimento histórico: La Rocque, Millet, Neiva Moreira e demais próceres!
Também omitiu a decidida contribuição prestada pelos deputados La Rocque e Millet, ao conseguirem que o TSE retirasse das folhas de votação mais de 200 mil votos fraudados, o que concorreu para a vitória do candidato, acidentalmente, apresentado pelas Oposições.

Se dependesse, como ele próprio assegura, da geração de poetas, intelectuais, inclusive reforçado pelas suas palavras messiânicas, jamais em tempo algum seria eleito, já que era estigmatizado por ser egresso do Vitorinismo-Newtismo! Essa é a verdade incontestável!
Portanto, bem diferente das suas intervenções quando entrevistado, cujo texto não passa de enxertos verbais ou retórica de fumaça!
Ele, Sarney, simula desconhecer que há mais de 20 anos vinha o grupo Oposicionista lutando obstinadamente contra o Vitorinismo, a fim de libertar o povo maranhense. Enquanto isso acontecia, Sarney comodamente permanecia aboletado nas poltronas do Palácio dos Leões se aproveitando das benesses que lhe eram proporcionadas.
Perguntem, os leitores, qual a posição por ele assumida na greve de 1951: se do lado do movimento oposicionista, rebelde e paredista ou ao lado de Eugênio de Barros, candidato do senador Vitorino Freire e do governador Newton Belo? E se, também, não fora ele recompensado, inclusive, a história registra, com a nomeação do seu irmão Evandro para a Chefia de Gabinete desse mesmo governo?!
Tampouco trata haver sido Presidente do Partido do militares, e depois de alguns anos de serviços prestados a essas instituições gregárias, passou a ocupar o Palácio do Planalto, oportunidade em que, com sua habitual empáfia e sem o mínimo escrúpulo, se proclamou PALADINO DA DEMOCRACIA!!!


Sobre mencionada particularidade, ele, de forma temerosa, se recusa a tratar do referido assunto, a fim de que não chegue ao conhecimento da NOVA GERAÇÃO... 
Outro detalhe que merece destaque: para o entrevistado prestar de forma cabotina suas desastrosas afirmações a respeito das obras executadas pelo seu governo, é desconhecer ou destratar, propositadamente, as realizações concretizadas pelos doutores Paulo Ramos e Jackson Lago quando ocuparam, para orgulho das pessoas de bom senso, a chefia do Executivo maranhense.
De todas as pregações que recolhemos da entrevista, a cena considerada tragicômica, foi sem dúvida a parte dedicada ao reconhecimento da vida pública do mencionado personagem, já que nenhum dos expoentes máximo da política nacional ou mesmo estadual se manifestou para os encômios de praxe: talvez receosos de comprometerem suas imagens perante o público... Ficando essa difícil e ridícula missão ao deputado SARNEY FILHO e ao neto ADRIANO SARNEY; depoimentos que não passam de acintoso vitupério!


Temos renovado em nossos artigos a máxima de nossa autoria: PASSADO COMPROMETEDOR, FUTURO DUVIDOSO!...
 “A glória só é um bem quando alguém é digno dela”. Não é o caso do senhor José Sarney!!




(*) Wagner Baldez - Servidor Público Aposentado, membro do Comitê de Defesa da Ilha, um dos fundadores do Instituto Maria Aragão. Integra a Direção Estadual do PSOL/MA