sábado, 16 de julho de 2016

Artigo Wagner Baldez - UMA DENÚNCIA COMO FORMA DE AJUDA


Por Wagner Baldez (*)


Assistimos com freqüência o alerta dado pelo órgão responsável pelo saneamento básico de nossa cidade a respeito do perigo causado pelo Aedes Aegypti, mosquito transmissor da dengue.
Nessa campanha, inclusive, consta orientação como as pessoas devem proceder, a fim de evitar a proliferação das larvas em águas acumuladas no interior de objetos expostos no tempo.
Entretanto, o que nos causa surpresa quanto a ditas particularidades é que, paradoxalmente, referido compromisso não vem sendo praticado pelo respectivo setor; haja vista acontecer que, em alguns logradouros públicos de nossa capital, o receituário deixou de ser executado na forma prevista: tanto assim o é, que a fonte luminosa da praça da Misericórdia conserva grande volume d’água na sua bacia, inclusive usada para lavagem de roupas pelos que lá perambulam o dia inteiro.
Será que a água ali depositada não venha a servir de criatório para a vida desse tipo de inseto?
A resposta fica reservada aos técnicos que cuidam desse trabalho em nossa urbe.

Porém, em razão dos fatos consumados, uma avaliação se faz necessária para corrigir essas anormalidades.



(*) Wagner Baldez - Servidor Público Aposentado, membro do Comitê de Defesa da Ilha, um dos fundadores do Instituto Maria Aragão. Integra a Executiva Estadual do PSOL/MA