sábado, 6 de maio de 2017

Artigo Wagner Baldez: UMA EPOPEIA EFETUADA COM IMENSA SATISFAÇÃO!

Igreja-matriz de Barra do Corda



Por Wagner Baldez (*)

Cavalgando nas asas da imaginação, procuro inverter a marcha progressiva do tempo à busca de um fato histórico de expressiva relevância, ocorrido numa das partes do sertão maranhense.

Porém, mesmo com o problema de tempo associado à distância que, segundo cálculos, é de 440km, a viagem foi bastante agradável! Sobretudo por estarmos dominado pelo sugestivo desejo de conhecer, nas suas minudências, o desenrolar dos acontecimentos ali vividos.

Após superar aludidos pormenores, chego ao local planejado. O dia, mês e ano se dá em 3 de maio de 1835.

Por não haver, até então, uma denominação definida, só posso afirmar que me encontro no centro geográfico do estado.

Ao chegar, vindo de um ponto próximo de onde me encontrava, escuto vozes eivadas de alegria, semelhantes a algum ato comemorativo, logo identificado tratar-se de pessoas estranhas ao meio. No decorrer desse cenário festivo, aproximo-me do grupo a comemorar a tarefa de descobrir terras desconhecidas, sou levado à presença do chefe da expedição vitoriosa. Trata-se do sertanista Manoel Rodrigues de Melo Uchôa, herói da batalha do Jenipapo (PI).

Abraçamo-nos efusivamente, oportunidade em que o parabenizo pela conquista alcançada!

Daí acontecer falar-me a respeito da geografia da região: matas exuberantes, constituídas, na sua maioria, de madeiras de lei; seus inúmeros mananciais de águas, a exemplo dos rios Corda e Mearim – este apropriado para navegação.

A natureza foi pródiga com esse pedaço de chão, acrescentou. Em assim sendo, afirmava ter o local condições de ser tornar, muito em breve, um próspero e fecundo município, quer seja no plano sociocultural, político e econômico. Justamente essa sua notável e bem calculada profecia veio a se realizar.

A verdade, confirmada pela História, garante-nos que o progresso dessa terra, deve-se, sobretudo, à contribuição prestada pelos cidadãos Frederico Figueira, mas, principalmente, pelo então magistrado Dr. Isac Martins, que desempenhou substancial papel relacionado com a educação, sua mais fervorosa paixão!

A razão da presente matéria se dá pelo fato de vir essa cidade a completar 182 anos de alcantilada existência.

Que o munícipio de Barra do Corda continue na sua marcha vitoriosa, e que a vida dessa comunidade seja um eterno amanhecer!

Viva Barra do Corda altiva e soberana na condução dos seus destinos!



(*) Wagner Baldez - Servidor Público Aposentado, membro do Comitê de Defesa da Ilha, um dos fundadores do Instituto Maria Aragão. Integra a Direção Estadual do PSOL/MA